Mais do mesmo

•abril 13, 2014 • Deixe um comentário

E o que tiver que ser será!!

Anúncios

Assertividade floreada

•abril 13, 2014 • 1 Comentário

Hoje foi um dia daqueles, aqueles que a gente prevê e nunca está preparada;

As vezes canso desse padrão inverídico ao qual hoje estamos socialmente inseridos;

Não entendo a forma que nos relacionamos sem espontaneidade, faltando com a verdade;

Sinto uma certa dificuldade em ser assertiva com as palavras,

e mais difícil ainda é esconder o que sinto;

No entanto, vejo que o padrão de normalidade dos relacionamentos são baseados em aparência, mentira e traição,

tudo é suportável desde que todos pensem que somos felizes.

“Uma pessoa que demonstra assertividade é autoconfiante que não tem dificuldades em expressar a sua opinião”.

Falta saber quem consegue se aproximar de pessoas expressando sua verdadeira opinião.

Sinto falta daquele tempo que para ser homem era preciso ter honra e

que viver um grande amor era a coisa mais importante para todas as mulheres.

 

•abril 3, 2014 • Deixe um comentário

Do What U Want (gaga)

•abril 3, 2014 • Deixe um comentário

Do What U Want (gaga)

I, I feel good, I walk alone
But then I trip upon myself and I fall
I, I stand up, and then I’m okay
But then you print some shit that makes me wanna scream

ARTPOP

•abril 3, 2014 • Deixe um comentário

ARTPOP

Come to me
In all your glamour and cruelty
Just do that thing that you do
And I’ll undress you
Keep it tight
Sometimes the simplest move is right
The melody that you choose
Can rescue yo

Love

•abril 3, 2014 • Deixe um comentário

Como entender  amor em todas suas vertentes, 

se com ele temos que viver tantos outros sentimentos.

Como suportar tanta habilidade sendo somente um animal racional,

vivendo de instintos e rótulos sociais,

onde podemos amar de verdade?

corações partidos, frases não ditas ou malditas,

desencontros, perdas e simplesmente medo,

no final o amor se vive como se pode.

 

Poesia ou Rotina

•abril 3, 2014 • 1 Comentário

Um pouco de mim em cada canto,

sem muito para entender,

olhar indignado e as vezes ingrato,

nesse mar de indecisão,

penso tanto em escapar, fugir, sumir,

no final se encontrar no que se perdeu,

um pouco de drama, tristeza, realidade e desejo…

Tudo tão pequeno que não me cabe, 

preciso mais que palavras,

quero um abraço que me encaixe no mundo,

tudo parece tão bom quando sinto prazer,

tão rápido, tão pouco, tão único…

Tento estar onde nunca estive, 

me esforço para fazer parte de lugares que nunca fui de verdade,

essa verdade que não se diz,

que se sente e se esconde…

Olho por toda parte e ainda não sei qual é a minha história,

um pouco de alegria e nostalgia daquilo que nunca saiu da cabeça,

essa vida paralela que não existe,

mas que se vive para suportar a realidade.